O culto ao cismático Gregório de Palamas foi aprovado por Pio XII?

 

palamas

André Messias

Recentemente, fizemos um texto contra a doutrina de Gregório de Palamas  mostrando que esse “santo” dos cismáticos defende graves heresias e não pode, jamais, ser considerado como um santo de verdade. É conhecido que, por outro lado, muitos católicos no Oriente ainda mantém o culto a ele por conta de uma afeição quase que sentimental ao mesmo. Esses católicos alardeiam que Pio XII, antes do controverso Concílio Vaticano II, já teria permitido o culto de Palamas. Como já falamos no outro texto,ainda que isso fosse verdade,continuaria errado do mesmo jeito, todavia não foi bem isso que ocorreu…  Nesse texto nos proporemos a demonstrar que Pio XII não aprovou o culto a Palamas e talvez nem Paulo VI o tenha.

Vale ressaltar que o culto a Gregório de Palamas é absurdo na medida em que Palamas é um cismático. Se tiver se salvado, terá sido apesar de sua doutrina e não por causa dela.

Congar pede a inclusão de Palamas no Calendário

O “teólogo” Yves Congar, famoso por suas posições heterodoxas, relata o seguinte em um de seus livros:

“Assim, as exclusões realizadas até agora pela Igreja Católica dizem respeito, ao que parece, aos personagens historicamente duvidosos ou aos santos ortodoxos pelos quais existem sérias razões para acreditar que eles pessoalmente recusaram a comunhão com Roma. É por essa razão também que Grégoire Palamas é excluído do calendário, como vimos acima com o Sínodo de Zamosc. Marcos de Éfeso e Fócio, o Grande, são igualmente excluídos do calendário católico grego”  (Yves Congar, A Propos des Saints Canonises dans les Églises Orthodoxes, 1948)

Yves Congar diz que os rutenos (ucranianos, lituanos, polacos, russos e eslavos católicos em geral) excluíram Palamas do seu calendário no Sínodo de Zamosc no século XVI  e a 1ª Edição Vaticana da Liturgia Russa em 1940 confirmava essa exclusão. O livro é de 1948 ainda sob o Papado de Pio XII. Mas o que dizia o Papa sobre esse Sínodo?

Pio XII confirma o Sínodo de Zamosc

Na sua encíclica “Orientales omnes Ecclesias” o Papa Pio XII ensinava:

“Em 1720, o metropolitano e o restante dos bispos da Igreja da Rutênia se reuniram em um Sínodo  em Zamosc para prover o melhor de suas habilidades através do consolo comum para as crescentes necessidades dos fiéis; da decretação deste Sínodo – confirmada por nosso antecessor Bento XIII na constituição apostólica Apostolatus officium de 19 de julho de 1724 – não poucos benefício resultou para a comunidade rutena” (Papa Pio XII, Orientales Omnes Ecclesias (#18), dec 23, 1945)

Pio XII não só reafirma o que foi dito em Zamosc, como também diz que Bento XIII seu predecessor, também o havia confirmado. Temos, portanto, dois Papas aprovando o Sínodo e o que nele estava contido.

As Actas do Sínodo de Zamosc

Mas os orientais poderiam objetar que Congar estava mentindo e que não é isso que o Sínodo estava dizendo. As Atas do Sínodo de Zamosc, por sua vez, deixam claro a exclusão do nome de Palamas e derrubando o culto desse “santo” cismático:

atas dede

Mas como tudo isso começou?

Para explicarmos de onde surgiu esse mito nos valeremos do livro de Vitor Zhukovsky sobre Gregório de Palamas. Nas páginas finais do livro o autor deixa uma correspondência entre um Bispo Ucraniano e o Cardeal Slipyj sob o Papado de Paulo VI. O Bispo perguntava se era possível o culto a Gregório de Palamas no que o cardeal respondeu fazendo toda uma retrospectiva dessa polêmica. É válido ressaltar que o cardeal menciona vários teólogos que acusaram Palamas de heresia e sequer cita a suposta permissão do culto de Palamas por Pio XII. No final, o cardeal diz ainda que, NA SUA VISÃO, o culto a Gregório de Palamas poderia subsistir mas que deveria ser melhor investigado. Essa resposta provavelmente serviu de base, após o desastre do período pós-conciliar, para a liberação do culto deste pensador não só cismático como herético. É, no entanto, também possível que Paulo VI tenha permitido o culto posteriormente de forma claramente não infalível como muitos atos controversos de seu pontificado. Mas, independente disso, temos dois Papas, Pio XII e Bento XIII, usando seu Magistério para aprovar o sínodo que proibia esse culto sendo, portanto, temerário no mínimo ainda sustentar que ele seria lícito.

palamas 2

 

palamas 3

Conclusão

Portanto, católicos orientais, honrem o exemplo de São Josafá, que foi morto pelos cismáticos, e parem de tentar aderir às teses heréticas dos inimigos da Fé. Cada vez que vocês cedem em algo para a doutrina deles é um descrédito que fazem ao sacrifício de São Josafá e de tantos outros que deram suas vidas para por um fim no cisma.

Outros textos sobre o tema:

André Messias, Respostas às objeções orientais: a emenda pior que o soneto.

Gabriel Klautau, Quem autorizou, afinal, o culto bizantino a Gregório de Palamas?

palamas

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s