Em novo livro, bispo Schneider reconhece que há documentos do Concílio Vaticano II que “romperam com a Tradição”

Em seu novo livro “Christus Vincit”, cuja cerimônia de lançamento ocorreu esta semana (na presença de vários outros cardeais e bispos “conservadores”), Dom Athanasius Schneider, bispo de Astana (Cazaquistão), afirma explicitamente que abandonou a tese “conservadora” de que os documentos conciliares sejam imunes de erro pela posição tradicionalista de que tais documentos rompem com a Tradição da Igreja:

“Continuei a acreditar [quando jovem] que não havia problemas substanciais nos textos do Concílio. Por um lado, observei os textos do Concílio serem abusados pelos liberais e, por outro lado, me pareceu, naqueles anos, que as críticas do arcebispo Lefebvre eram exageradas. Era impossível para mim pensar que um Concílio ou um papa pudesse cometer algum erro. Implicitamente, considerei todas as palavras do Concílio e do papa como infalíveis, ou pelo menos sem erros…

Foi para mim uma espécie de ‘infalibilização’ inconsciente e total do Concílio – inconscientemente, não no nível teórico – e de todos os pronunciamentos dos papas. Eu me sentia desconfortável quando havia críticos e não gostava de segui-los ou estudá-los porque tinha medo de seguir uma direção que seria infiel à Igreja e à minha devoção ao papa. Instintivamente, reprimi todos os argumentos razoáveis que poderiam, mesmo que um pouco, ser uma crítica aos textos do Concílio.

Hoje em dia, percebo que desliguei minha razão. Contudo, essa atitude não é saudável e contradiz a Tradição da Igreja, como observamos nos Pais, nos Doutores e nos grandes teólogos da Igreja ao longo de dois mil anos...

Um exame honesto mostra que em algumas expressões dos textos do Concílio há uma ruptura com a Tradição Constante anterior do Magistério. Sempre devemos ter em mente o fato de que o principal objetivo do Concílio era de caráter pastoral e que o Concílio não pretendia propor seus próprios ensinamentos definitivos.” (Dom Athanasius Schneider, Christus Vincit)

Rezemos para que o restante do clero abra – assim como Dom Athanasius Schneider e aparentemente também o cardeal Burke – os seus olhos para o real motivo da crise na Igreja: o Concílio Vaticano II, sua nova disciplina, pastoral e liturgia.

Saiba mais sobre o novo livro deste reverendíssimo bispo sobre a crise na Igreja, clicando aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s