Polícia da Polônia prende feminista por profanar imagem de Nossa Senhora com arco-íris gay

Image

Uma feminista radical foi presa pela polícia polonesa por suspeita de ter profanado uma imagem do ícone mais sagrado do país da Virgem Maria, a “Madonna Negra”, com cores do arco-íris pró-homossexualismo.

Elżbieta Podleśna, de 51 anos, ativista LGBT, foi presa mais de duas semanas depois de cartazes mostrando o ícone da Virgem Maria de Częstochowa e seu Divino Filho com halos de arco-íris LGBT. Eles foram colocados perto da Igreja de São Domingos na cidade polonesa de Płock durante o fim de semana da Páscoa, o tempo mais sagrado do ano cristão.

Imagem relacionada

Ofender sensibilidades religiosas é um crime na Polônia – aparecendo no artigo 196 do Código Penal – semelhante a perturbar a paz. As punições podem variar de pagar uma multa, alguma limitação de liberdade ou até dois anos de prisão.

De acordo com Norbert Pęcherzewski, chefe do Gabinete do Procurador Distrital de Płock, a decisão de deter Podleśna foi tomada de forma independente pela Polícia. Em entrevista à TVN24 da Polônia, Pęcherzewski disse que o Ministério Público só queria revistar o apartamento e o carro da mulher.

Podleśna foi acusada, questionada e libertada.

A Anistia Internacional, com quem Podleśna é ativista, divulgou um comunicado dizendo que Podleśna foi presa após retornar de “uma turnê de defesa de direitos homossexuais”.

“Elżbieta Podleśna tinha acabado de retornar à Polônia depois de completar uma turnê de advocacia com a Anistia Internacional na Bélgica e na Holanda, levantando preocupações sobre o estado de direito na Polônia”, escreveu a organização.

A pesquisadora regional da Amnistia Internacional na Europa, Barbora Cernusakova, chamou as acusações de “espúrias” e acusou as “autoridades” polonesas de “assediar manifestantes pacíficos e ativistas na Polônia”.

Mas de acordo com o site de notícias de esquerda  Na Temat, não foi por acaso que as cópias da “Madonna Arco-Íris” foram postadas perto da Igreja de São Domingos.

“Os Ativistas da Liberdade de Varsóvia já haviam explicado anteriormente por que eles haviam conduzido uma ação com a Mãe de Deus da Igualdade em Płock”, escreveu Łukasz Grzegorczyk em polonês.

“Em uma carta enviada ao escritório editorial Na Temat, eles escreveram que o blasfemo arco-íris contra Maria, que eles fixaram nas paredes e calçadas perto da igreja de São Domingos, supostamente seriam uma expressão de oposição à estigmatização dos não-heteronormativos feita pelo clero católico”.

A versão LGBT do ícone mais amado da Polônia não foi o único tapa na sensibilidade católica em Płock. De acordo com o site de notícias polonês Gazeta.pl, um “Santo Sepulcro” decorativo na Igreja de São Domingos foi encontrado no domingo de Páscoa para ser coberto com caixas de papelão com as inscrições “LGBT”, “gênero”, “traição”, “mentiroso”. “e” roubo “.

O Ministro do Interior da Polônia, Joachim Brudzinski, católico, expressou seu descontentamento com o uso indevido do ícone de Nossa Senhora de Częstochowa. No Sábado Santo, ele retweetou uma mensagem do Sábado Santo pelo Santuário da Mãe de Deus de Jasna Góra em Czestochowa, onde o ícone original está alojado, expressando tristeza pela “profanação”.

“A profanação da imagem da Mãe de Deus de Jasna Góra em Płock nos incomoda muito. Nós pedimos às pessoas, independentemente de suas crenças e pontos de vista, que respeitem os sentimentos religiosos dos crentes. Vamos orar pela transformação dos corações e a conversão dos incrédulos e inimigos da Igreja – apelou ao prior de Jasna Góra ”, dizia o Tweet em polonês.

Além disso, Brudzinski disse no Twitter que não poderia haver “consentimento” para esse tipo de “barbárie cultural”.

“… A imagem de Nossa Senhora de Czestochowa, durante séculos sagrada para todas as gerações de poloneses, foi profanada em Plock. A polícia vai lidar com o assunto como seu dever. Não pode haver consentimento em nome da pseudo-tolerância a esse tipo de barbárie cultural ”, escreveu ele em polonês.

A Polônia é o exemplo de país católico romano no mundo, onde 88% do povo segue a fé apostólica romana. Neste país não existe qualquer união civil gay reconhecida e o aborto é criminalizado. O país é altamente desenvolvido. Exemplo para o Brasil seguir!

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s