“Não tenho autoridade para isso e, se tivesse, não o faria, por convicção pessoal”, diz Arcebispo de Belém sobre abolição do celibato

dom alberto taveira

Em 2016, uma grande crise abalou a Igreja de Belém. Descobriu-se que um sacerdote carismático, que vinha ganhando fama na cidade por atrair um grande número de fiéis para as ‘adorações ao Santíssimo’ realizadas na principal igreja do estado – a Basílica de Nossa Senhora de Nazaré -, havia supostamente se envolvido sexualmente com pelo menos duas jovens moças. Uma delas se encontraria grávida, enquanto que a outra, já seria mãe de um filho seu de nove anos. Imediatamente, a Arquidiocese afastou o sacerdote.

O escândalo, então, se generalizou pelas ruas de Belém: A mídia e os ‘devotos’ do referido ex-sacerdote começam a criticar publicamente Dom Alberto, Arcebispo de Belém, pela sua ‘rigidez’, uma vez que, como o então padre atraía “multidões” para suas celebrações carismáticas e a Igreja vinha “perdendo muito fiéis”, fazia-se supostamente necessário que a Igreja e, especialmente, o Arcebispo, se “modernizassem”, abolindo a ‘retrógrada’ doutrina celibato e abraçando as exigências do mundo moderno. Um conhecido jornalista paraense chegou ao cúmulo de dizer que o celibato era “uma condição anacrônica, absurda e anti-humana imposta pelo Vaticano”.

O Arcebispo, então, se manifesta sobre o caso. Primeiramente, ele informa que sacerdote em questão havia decidido voluntariamente abandonar tanto ao sacerdócio quanto a vida religiosa. Posteriormente, respondeu enfaticamente a seus críticos:

“Na ocasião, no princípio do ano, colocaram a culpa no arcebispo. E a culpa era mais ou menos assim: ‘ah, o arcebispo devia acabar com o celibato sacerdotal’. Primeiro que eu não tenho autoridade para isso e, se tivesse, não o faria, por convicção pessoal. O fato de alguém tomar uma decisão que vai contra a norma da Igreja não diminui o valor da norma” (Fonte: site do G1).

Com tais esclarecimentos, toda a confusão na cidade chega ao fim.

Ora, a declaração do Arcebispo não poderia ser mais fiel à doutrina que o mesmo prometeu proteger no dia de sua ordenação. Afinal, se quando em Mateus 19:10, os apóstolos declaram a Cristo que “se tal é a condição do homem a respeito da mulher, é melhor não se casar”, os mesmos não são repreendidos por Nosso Senhor por apresentar um pensamento que a modernidade ousa chamar ‘anti-humano’, mas antes, são encorajados por Aquele que fez os Céus e a Terra a fazer o mesmo: “há eunucos que a si mesmos se fizeram eunucos por amor do Reino dos céus. Quem puder compreender, compreenda.” (Mateus 19:12), quem somos nós para dizer o contrário?

As Escrituras gritam em favor do celibato. Em 1 Coríntios 7:1, São Paulo ensina que: “O solteiro cuida das coisas que são do Senhor, de como agradar ao Senhor. O casado preocupa-se com as coisas do mundo, procurando agradar à sua esposa.” (1 Coríntios 7:32-33). Inspirado pelo Divino Espírito Santo, o Apóstolo dos Gentios ainda afirma explicitamente que o desejável era que todos fossem como ele, celibatários (1 Coríntios 7:7). Do mesmo modo ensina o Apocalipse sobre a dignidade do celibato: “Estes são os que não se contaminaram com mulheres, pois são virgens. São eles que acompanham o Cordeiro por onde quer que vá; foram resgatados dentre os homens, como primícias oferecidas a Deus e ao Cordeiro.” (Apocalipse 14:4).

Agora, no entanto, aproxima-se o Sínodo da Amazônia no qual membros do próprio clero tentarão acabar com o celibato na região governada por Dom Alberto. Os fiéis de Belém, assim como os que peregrinam pelo Brasil todo, suplicam ao Arcebispo para que o mesmo não se esqueça das palavras proferidas durante aquela ocasião e mostre a sua fidelidade à Sã Doutrina no dia em que seus irmãos bispos, aqueles que deveriam proteger a disciplina apostólica e o patrimônio da fé, tentarão destruí-la, abrindo exceções sobre exceções para rechaçar de uma vez por todas o celibato sacerdotal e abraçar os clamores seculares da mídia e do mundo moderno. É a hora de Dom Alberto confessar, assim como São Pedro, a fé no “Filho de Deus Vivo” (Mt 16:16), combater os lobos vestidos em peles de cordeiro, e, por fim, combater os anseios deste mundo “porque todo o que nasceu de Deus vence o mundo. E esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé.” (1 Jo 5:4).

Rezemos pelo Arcebispo, pelo Sínodo, e, é claro, pelo Santo Padre, o Papa Francisco, para que mantenham essa santa disciplina herdada pelos apóstolos, que fundou o Brasil, e que foi responsável por galgar todos os fiéis do rito romano até os dias de hoje.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s