CNBB omissa frente ao ativismo do STF para criminalizar críticas ao homossexualismo

Desde a década de 1970, no Brasil, o Catolicismo vem diminuindo abruptamente (em termos proporcionais).

Em 1970, 92% dos brasileiros se declaravam católicos, uma hegemonia religiosa em nossa nação. Já em 2010, 40 anos depois da primeira pesquisa, apenas 64% dos brasileiros se consideravam católicos, segundo os dados do IBGE. Infelizmente, ateus e protestantes crescem de maneira rápida. Na década de 1970 os protestantes eram apenas 7% da população e em 2010 pularam para quase 25%. É um aumento absurdo.

A CNBB vem tomando as piores decisões pastorais possíveis. É notório o envolvimento do alto clero brasileiro com movimentos heréticos como a Teologia da Libertação. Infelizmente, após as reformas do Concílio Vaticano II, um “espírito liberal” tomou conta de certos clérigos que agora acham “feinho” (ou “extremista”) o instrumento da excomunhão formal contra hereges e por isso temos que aguentar pessoas como o herege Leonardo Boff propagando suas heterodoxias.

Vemos que a CNBB parece não se importar com a criminalização da homofobia que irá censurar os católicos (e até mesmo os protestantes) de criticarem os atos intrinsecamente desordenados do homossexualismo. Também não se poderá mais defender teses contra uniões homossexuais como as teses do grande filósofo neotomista (católico, seguidor de São Tomás de Aquino) como John Finnis. Nem mesmo criticar a ideologia de gênero em meio público será permitido.

Desta forma, no meio público, a posição oficial da Santa Igreja Católica, fundadora desta nação, será proibida. Seus filhos só poderão defendê-la no meio privado. Configurando mais uma vitória do Liberalismo secular contra a verdade universal.

Lembrando que de acordo com o item 10 do documento ‘Considerações sobre os projetos de reconhecimento legal das uniões homossexuais‘, assinado em 2003 pela Congregação para a Doutrina da Fé e em vigor até hoje, “todos os fiéis são obrigados a opor-se ao reconhecimento legal das uniões homossexuais” enquanto que “os políticos católicos são-no de modo especial, na linha da responsabilidade que lhes é própria”. O Catecismo da Igreja Católica, em seu item 2357, considera tal atração uma desordem mental, e sua prática, um ato “intrinsecamente desordenado”. Por esses motivos, o Papa Francisco apoiou publicamente as manifestações mexicanas contra a aprovação do “casamento” civil gay.

A CNBB está omissa, o risco de bons católicos serem presos por defenderem a moral sexual da Santa Igreja com tal absurdo aprovado é muito grande. Os bispos brasileiros precisam urgentemente se manifestar contra esse absurdo que quer fazer o STF. Eles já conseguiram 4 dos 11 votos necessários!

Quem vai frear o ativismo judicial? Quem freará o ministro Barroso?

Lembrando que foi o STF, contra a opinião da maioria de nosso povo e de nosso Legislativo, que criou o “casamento” gay civil e legalizou o aborto eugênico contra bebês anencéfalos. Agora querem censurar a moral sexual cristã no meio público e querem, pela ADPF 442 legalizar o aborto em todos os casos, no “tapetão”.

CNBB abandone o modernismo e todas as demais heresias. Defenda a doutrina da Igreja Católica! Precisamos de vocês!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s